(2 minutos minutos -Mokrhe-Syrix)

“O impacto econômico e social da paralisação das obras públicas”. O título de um recente estudo elaborado pela CBIC (Câmara Brasileira da Indústria da Construção – [1]) é bonito e quase poético. Contudo, em grande parte imprestável [2], especialmente para quem não sofre de miopia contextual severa [3].

Tal patologia, presente em conversas de bar e muito mais nos redutos acadêmicos, diz respeito à omissão de perguntas especialmente relevantes quando se está a analisar algum problema. Por conta disso, muitas linhas vão ser paridas na análise de um efeito sobre outro efeito para uma origem em comum relevante e ignorada.

No caso em apreço, a CBIC tentou por vários caminhos quantificar o impacto no PIB da paralisação das obras públicas. Só que – e agora vem o embaçamento que atesta a cegueira para qualquer coisa além do próprio estudo – isso ficou bastante capenga ao se ignorar completamente o papel da corrupção no setor de infraestrutura do país, no que tange à aludida paralisação.

Afinal, quem sabe seria importante saber a vantagem – no caso de acolhida as decisões de órgãos de controle [4] – de se paralisar obras que mais representam a fonte de propina e fabricação de superfaturamento? Que retroalimentam indefinidamente a própria corrupção, a qual por sua vez agrega pesadas ineficiências em tudo o que toca?

Ou, dentro da terminologia do próprio estudo, qual seria o multiplicador de investimento de R$ 1 milhão de propina para um partido político vindo de uma obra superfaturada (ainda que entregue)? Quantas besteiras não daria para ser fazer com esse dano redirecionado a um propósito ilícito? Agora pense nisso por dez anos e vindo de várias obras bilionárias e alimentando praticamente todo um Congresso. Foi o que ocorreu e que não coube na memória de curto prazo ou nos critérios para análise de custo-benefício do estudo realizado pela CBIC.

A negligência do estudo para com essa realidade – já bastante escancarada após a Operação Lava Jato – traz embutida a premissa de que os problemas que justificam ou explicam as paralisações nada tem com a corrupção, Isso tornaria esses vários empreendimentos obras imaculadas, afetadas tão somente por erros técnicos, longe da má-fé inerente aos esquemas cartelizados descortinados.

Espera-se que os resultados aqui apresentados também ensejem novos debates, análises e abordagens do problema e possíveis soluções.” A frase final do estudo é um desfecho quase consolador para quem quer atuar sobre um problema ignorando a sua origem,  dispensando os óculos que permitiriam identificar onde e como atuar.

Haja fé.

[1] Link – https://cbic.org.br/wp-content/uploads/2018/06/Impacto_Economico_das_Obras_Paralisadas.pdf
[2] Eufemismo. Sarcasmo, Ironia. Você escolhe.
[3] sofro da versão severa apenas em termos biológicos. Assim espero.
[4] Tudo o que se diz no estudo sobre órgãos de controle quando se discorre sobre as causas das paralisações é: “… e a ação dos órgãos de Fiscalização e Controle, voltadas de maneira excessiva aos aspectos de “legalidade operacional”, sem ponderar eficiência e consequência de suas determinações (ou recomendações, como preferem). Nessa parte, faltam números aos condecorados pesquisadores. Equiparam-se a advogados tergiversando em tese e sem qualquer substrato quantitativo.

Um comentário em “O dano das obras imaculadas

  1. penso na hipocresia de determinadas pessoas que ao se nurdesserem perdem a noção do apreço. o que é imacular? tornar algo que não seja visto com bons olhos como fizeram com Jesus que de forma ignorante naõ o compreenderam o açoitaram, o despojaram e o crucificaram. Viver Jesus é com o ter um DADO nas mãos e saber quantos dias teriam que o ressucitarem até fazer ele compreender ou eles compreenderem que somente ele venceu a morte. Todod mundo quer viver ningém quer morrer. rosiane santos carvalho eu Stalinizo ESTANHO creuzo montanhas para aprender discipulo estou sempre na estrada

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s