Rafael Martins

(5min) Duvido que você tenha ideia do tanto de coisa que tem na religião e é vendida, comentada e enaltecida em outros campos do conhecimento.

Se liga nos exemplos:

Na clássica pirâmide de aprendizagem de Willian Glasser, é nítido que nós apreendemos mais na proporção em que tentamos estudar algo tirando o foco da gente e interagindo com o próximo.

Quanto mais essa interação beneficiar o próximo, maior o seu próprio nível de retenção. Algo um tanto quanto contraintuitivo para esse mundão materialista. Imagina um concurseiro medíocre e bitolado tendo que se convencer disso?

Na real, não deixa de ser um exemplo trivial para o alcance real da máxima de fazer ao próximo o que gostaria que fosse feito a você a fim de ter uma vida melhor. Dá uma olhada na figura abaixo pra você também apreender isso.

captura-de-tela-2016-11-18-as-23-50-12

Viu? Pra ter conhecimento você deve dar conhecimento. Já dizia Francisco de Assis em sua oração que “é dando que se recebe”, inclusive no mundo da aprendizagem.

Outro exemplo.

Na seara das relações conjugais essa pesquisa feita por economistas da Universidade de Virginia – envolvendo 3.600 casais – previa quais casais continuariam juntos depois de 6 anos por meio da resposta a duas perguntas.

Daí você vai e fica curioso com o teor das perguntas, neh?

Mais uma vez a necessidade de pensar antes no outro se sobressaiu. Isso porque o fator mais determinante na separação era quando havia uma distância muito grande entre a resposta que eu imaginei e a resposta que de fato meu parceiro deu a determinada pergunta. Uma relação sólida é construída com uma observação diária da satisfação da outra parte.

Se você olhar só pra você vai acabar ficando só com você. Nada mais justo.

 

Siga la pelota…

Não condene, não critique, não se queixe“. Mantra esse encontrado no best seller “como fazer amigos e influenciar pessoas”. Se fosse um líder religioso dizendo isso seria mó piegas. Agora um bacana engravatado é algo pra “abrir a mente”, virar o novo mega empreendedor da galáxia, blablabla…

Faz assim. Abra o seu coração e veja que a simplicidade na base comum das religiões já incorpora conceitos como esses há alguns milênios. Você não precisa de um ambiente corporativo pra dar seu jeito de se religar com Deus.

Sem entrar no mérito da intenção, mas mesmo o ilustre FBI, entidade pertencente a um país destacadamente materialista, aplica o conceito de “fazer uma pessoa se sentir feliz” para uma maior efetividade em técnicas de monitoramento e convencimento para espionagem.

Também na internet em meio aos posts que viralizam, vemos mensagens sendo repetidas, noutra roupagem, propagando o que já era de conhecimento dos que tentam se familiarizar pelo caminho religioso da parada.

Exemplo? Emmanuel já disse em O Consolador – a disciplina antecede a vontade.

Agora pega o que te vem na cabeça lendo essa frase e compara com este post que viralizou tempos atrás:

 

Pra fechar, eu prefiro me valer de um especialista do mundo corporativo de verdade:

 

Pra você que ouviu, ficou claro que a Religião é um atalho interessante na evolução em todos os outros campos da vida.

 

 

 

 

 

 

Um comentário em “Um atalho de milênios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s